Digital ***Rádio e Tv: Samsung encerra 2017 superando Intel como maior fabricante de chips do mundo
Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Samsung encerra 2017 superando Intel como maior fabricante de chips do mundo


A Samsung se consolidou como a maior fabricante de chips do planeta, superando a Intel no comparativo anual pela primeira vez em 26 anos. O resultado já era projetado desde julho, quando a coreana também alcançou a liderança, mas, na ocasião, apenas no consolidado trimestral.

Segundo a consultoria Gartner, a ultrapassagem se deu pela alta nos preços de chips de memória, que lidera a produção de memórias DRAM e armazenamento flash NAND. O relatório indica que as memórias DRAM aumentaram 44% em preço entre 2016 e 2017, enquanto o flash NAND viu seu preço subir 17%.

O estudo mostra como a receita da Samsung com a produção de semicondutores aumentou de forma violenta no último ano. Se em 2016 a empresa faturou US$ 40,1 bilhões, em 2017, a companhia coreana viu a soma disparar para US$ 61,2 bilhões, com uma alta de 52,6% em um ano.


Imagem: Reprodução

Ao mesmo tempo, a Intel manteve-se praticamente estagnada na comparação ano a ano. Em 2016, a fabricante teve um faturamento na casa de US$ 54,1 bilhões, que subiu para US$ 57,7 bilhões, com um aumento discreto de 6,7%.

Isso dito, o analista Andrew Norwood, vice-presidente de pesquisa na Gartner, diz que a vitória da Samsung pode não durar muito. Pelo fato de que a liderança veio graças a um aumento súbito de preço, assim que os valores se estabilizarem em um patamar normal, a Intel deve recuperar o topo. "O preço das memórias deve começar a cair em 2018, inicialmente para armazenamento flash NAND e em 2019 para memória DRAM conforme a China expandir sua capacidade de produção", diz o Norwood.

Por: RENATO SANTINO - Olhar Digital