Digital ***Rádio e Tv: Lei do Salão-Parceiro abre reforma trabalhista
Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Lei do Salão-Parceiro abre reforma trabalhista

O presidente Michel Temer sancionou nesta quinta-feira (27/10), a lei que desobriga salões de beleza de contratar colaboradores pela CLT, criando a figura do "profissional parceiro".

A norma cria as figuras do salão parceiro e do profissional parceiro, com a possibilidade de adotarem o regime especial de tributação previsto no Estatuto da Micro e Pequena Empresa (Lei Complementar 123/06). No caso do profissional parceiro, ele poderá atuar como microempreendedor individual (MEI).

No contrato, entre outras cláusulas, deverá constar o percentual de retenções que o salão fará a título de aluguel de móveis e utensílios para o desempenho das atividades e serviços de gestão e apoio. A parte do profissional será a título de "atividades de prestação de serviços de beleza".

O contrato terá ainda de prever que o salão parceiro será o responsável pelo recolhimento dos tributos a seu cargo e também pela retenção e recolhimento dos tributos e contribuições sociais e previdenciárias. Para valer, o acordo precisa ser homologado pelo sindicato da categoria profissional ou, na ausência dele, pelo órgão local do Ministério do Trabalho e Emprego.

Reforma trabalhista fatiada

Ao sancionar a Lei do Salão-Parceiro, abriu-se brecha para uma espécie de reforma trabalhista fatiada, eis que a mesma figura do "profissional parceiro" pode ser ampliado para outros setores da economia.

Para alguns especialistas, esse é o início da reforma trabalhista. Atualmente existem cerca de 70 projetos em andamento no Congresso Nacional que promovem alterações na CLT. Entre eles a terceirização de todas as atividades das empresas; a prevalência do negociado sobre o legislado; e a redução do intervalo para almoço de 1 hora para 15 minutos. Também estão em estudos mudanças nas férias anuais e no pagamento de horas extras.

Em defesa dos direitos dos trabalhadores, há quem considere que a nova lei poderá prejudicar trabalhadores que contam hoje com carteira assinada, com figuras como a oficina-parceira, a padaria-parceira entre outras áreas de serviços e do comércio.


FONTE: Equipe Técnica COAD

#DigitalRadioTv