Digital ***Rádio e Tv: Dos 32 cargos de subprefeitos de SP, apenas 4 são mulheres; conheça elas.
Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Dos 32 cargos de subprefeitos de SP, apenas 4 são mulheres; conheça elas.



Foto: Divulgação/ Da esq. para a dir: Harmi Takiya, Maria Angela Gianetti, Cleide Pandolfi e Edna Miani



As subprefeituras de Guaianases, na zona leste, Pinheiros, na oeste, e Ipiranga e M'Boi Mirim, na região sul da capital, são as únicas a ter mulheres como subprefeitas. O número é quatro vezes menor se comparado à quantidade de homens no cargo.

Ao contrário do voto direto da população para a escolha do prefeito, o subprefeito é nomeado pela própria prefeitura. Neste ano, porém, o prefeito Fernando Haddad (PT) enviou um projeto de lei à Câmara dos Vereadores para que os subprefeitos sejam eleitos pelos moradores, a partir de eleições. O projeto determina que vençam os candidatos mais votados, com mandato de quatro anos e com a possibilidade de reeleição uma vez.

Para o diretor da Escola de Governo, Mauricio Piragino, o Xixo, os perfis dos subprefeitos escolhidos nas últimas três gestões dos governos Serra (2005-2006), Kassab (2006-2009 e 2009-2013) e Haddad (atual gestão) foram distintos.

"No governo Serra (PSDB) foram escolhidos ex-prefeitos do PSDB no interior. Já com Kassab (PSD), no primeiro momento foram colegas da Poli, a faculdade de engenharia da Universidade de São Paulo. Noutro, coronéis aposentados da PM (Polícia Militar). Agora, com o Haddad, ele quis colocar engenheiros e funcionários de carreira com conhecimento da regiao", afirma.

Ainda de acordo com Xixo, isso esbarra desde a fragilidade política, como a ocupação desses cargos como um lugar de permuta.

Entre os 32 subprefeitos da cidade, as únicas quatro mulheres nomeadas são Maria Angela Gianetti, Edna Diva, Cleide Pandolfi e Harmi Takiya– todas elas já com décadas como servidoras públicas.

Agora é que são elas

Mais conhecida por Mara Gianetti, Maria Angela Gianetti mora em Guaianases e pertencente a uma das famílias mais tradicionais da região. Graduada em pedagogia e pós-graduada em educação, ela atuou como funcionária pública de 1977 a 2013. Ao longo desse período, foi assistente de diretor, professora titular, diretora e supervisora escolar. De 2005 a 2013, foi diretora regional de educação na DRE (Diretoria Regional de Educação) Guaianases.

Já no Ipiranga, Edna Diva Miani Santos assumiu a subprefeitura em outubro de 2015. Formada e pós-graduada em serviço social, é funcionária de carreira há 40 anos. Durante esse tempo, ocupou cargos de coordenação de serviço social e foi superintendente e diretora em diversas áreas de São Paulo.

Implantou o CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) em todas as regiões de sua competência. Antes de tornar-se subprefeita, exercia a função de supervisora técnica da assistência social na região administrativa do Ipiranga.

Arquiteta, Cleide Pandolfi mora no distrito de Santo Amaro, que faz parte da subprefeitura de mesmo nome. É servidora pública concursada desde 1981. Cleide foi coordenadora de projetos e obras de 2015 até abril de 2016, na subprefeitura de Santo Amaro. Antes disso, havia sido subprefeita da Capela do Socorro por dois anos.

Ela também trabalhou na Subprefeitura do M'Boi Mirim de 2002 até dezembro de 2012 como assistente de gestão de políticas públicas e coordenadora de obras.

Subprefeita de Pinheiros, Harmi Takiya é geóloga de formação, além mestre e doutora. Atua na subprefeitura desde março de 2015, mas trabalha na prefeitura desde 1991. De lá para cá, passou por diferentes áreas, sendo uma das mais importantes delas a coordenação do Atlas Ambiental da cidade de São Paulo. Em de agosto de 2002, foi a primeira mulher a ser nomeada subprefeita, da Mooca, onde permaneceu até 2004.

Assim que ingressou na prefeitura, na administração regional do Campo Limpo, Harmi coordenou o grupo intersecretarial de trabalho em áreas de risco geológico. Dez anos depois, na Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, foi nomeada diretora da divisão de licenciamento ambiental do departamento de controle ambiental.

De 2005 a março de 2015 atuou na Empresa Municipal de Urbanização e na São Paulo Urbanismo, sendo o último cargo ocupado nesta empresa pública, o de superintendente de planejamento da paisagem.


por Vagner de Alencar