Digital ***Rádio e Tv: Estudante cria prótese 100% brasileira, mais acessível e a partir de garrafas PET
Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Estudante cria prótese 100% brasileira, mais acessível e a partir de garrafas PET


Era um dia como qualquer outro, até que uma simples cena mudaria a vida dos estudantes Lucas Strasburg e Eduardo Trierweiler Boff de Novo Hamburgo (RS).

Há sete anos, eles se depararam com um rapaz andando estranho ao longe. Então perceberam que se tratava de uma pessoa amputada na altura da canela. "Aí acendeu uma lâmpada: há tanto avanço na medicina mas ainda não colocamos um paciente andando direito?", disse Lucas, hoje com 24 anos, em entrevista ao site Exame.

Com este simples pensamento, os dois jovens colocaram a mão na massa e foram atrás de realizar algo importante e que faria a diferença na vida de muitas famílias.

Aproveitaram o projeto de conclusão do ensino técnico em mecânica da Fundação Liberato para colocar em prática a ideia de criar um novo tipo de prótese.

Logo de cara, descobriram que o Brasil não fabrica próteses de qualidade e que esse mercado é dominado por produtos importados. "A prótese de madeira oferecida gratuitamente pelo SUS é rígida e não permite a transferência de energia do calcanhar para a ponta do pé", explicou Lucas.

Assim nasceu o Revo Foot, uma prótese 100% nacional, com a mesma qualidade das estrangeiras feitas de fibra de carbono e com um custo inferior às tradicionais.

A ideia é oferecer algo entre 30% e 40% mais barato que a concorrência e com crédito facilitado. "Se uma prótese fosse vendida a R$ 2 mil reais e paga em prestações, seria possível tirar grande parte dos pacientes da fila e oferecer um produto de qualidade sem explorá-los", explica Lucas.

Outro fator incrível deste projeto é que, em vez da fibra, eles desenvolveram um material plástico injetável. "A biomecânica é similar e isso favorece a localização espacial, porque você consegue sentir todas as fases da marcha: apoio, balanço e equilíbrio", contam.

A ideia de usar garrafas PET na fabricação dos modelos rendeu à dupla prêmios como o da Braskem e do Massachussetts Institute of Technology (MIT). O protótipo criado pela dupla aguentava 400 quilos de carga.

Atualmente, Lucas toca a empresa sozinho, que está incubando no laboratório da Unisinos, onde estuda Engenharia Mecânica. A expectativa do estudante é que o produto chegue ao mercado até o segundo semestre de 2017.

"Aliar as propriedades mecânicas de um material com a estrutura e a biomecânica de um ser humano caminhando é complexo", conta, informando que já há um paciente experimentando para ajudar no feedback.

Além da questão da pesquisa, ele enfrenta também uma outra questão: a burocracia.

A prótese precisa ser certificada pelos órgãos apropriados. Porém, como o país sempre importou, eles simplesmente não possuem as normas necessárias para produtos internos ainda. Já estão sendo criadas estas normas, a pedido de Lucas e seus apoiadores, inclusive, mas até lá, isso é um empecilho.

Quando o assunto é investimento: "Há uma febre tremenda em relação aos apps e o investidor quer algo assim porque o desenvolvimento e a monetização são muito mais rápidos. Para nós na área da indústria, é preciso ter documentações aprovadas, comprar maquinário, fazer moldes, pagar funcionários, encontrar mão de obra qualificada, matéria prima, fornecedor… O investimento é muito mais alto", diz.

Os próximos passos de Lucas são estabelecer um escritório em São Paulo, onde fechou parceria com uma empresa médica especializada, e pretende criar um crowdfunding. "Como não estou vendendo o produto ainda, a geração de caixa é zero. E como as transações jurídicas levam meses, precisamos de um montante de recursos para adiantar o processo", diz.

Lucas chegou a rejeitar uma proposta de emprego no Canadá para desenvolver seu sonho no Brasil. "O que mais quero é colocar esse produto no mercado e ter uma renda que é fruto de ajudar as pessoas", finaliza.


Empreendedorismo-Revo-Foot-3

Lucas-Strasburg-Eduardo-Trierweileir

size_810_16_9_revo-foot

Fonte: Exame

- See more at: http://razoesparaacreditar.com/negocios/estudante-cria-protese-100-brasileira-apenas-com-plastico-pet/#sthash.by3yffg3.dpuf
--
Você também pode interagir conos



Coletamos na mídia as diversas e mais atuais notícias em destaque no dia e disponibilizamos para nossos ouvintes.

Você poderá ouvir, ler, ou, assistir outras matérias nestas páginas:

http://digitalradiotv.blogspot.com.br/p/as-noticias.html
http://digitalradiotv.blogspot.com.br/p/historiasde-hoje.html
http://digitalradiotv.blogspot.com.br/p/as-musicas.html

***Digital Radio & Tv